G-P371DTEV93
 
  • Apepro - Apoio aos Pequenos Produtores

Do café ao feijão, quase metade da produção do campo passa por cooperativas

O café com leite ao acordar, o arroz com feijão na hora do almoço...por trás desses eventos tão cotidianos é bem provável que exista o trabalho de uma cooperativa agropecuária.


Isso porque quase metade do que vem do campo passa por produtores rurais associados a cooperativas. Hoje, elas produzem 75% do trigo do Brasil e lideram o cultivo do café (55%), milho (53%) e soja (52%), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Boa parte do leite (46%) e do feijão (43%) também passa por elas.


Pequenos agricultores e pecuaristas fundam essas organizações com o objetivo de ganhar maior poder de negociação na compra de matérias-primas, maquinários e serviços, em meio ao mercado cada vez mais competitivo do agronegócio.


Muitas delas já são grandes líderes do setor e possuem faturamentos bilionários, como é o caso da Coamo, Copersucar, Cotrijal e Cooxupé, por exemplo. Outras são marcas conhecidas entre os brasileiros, como a Aurora, Batavo e Frimesa.


Ao todo, 1.613 cooperativas atuam no Brasil oferecendo suporte a 1 milhão de produtores, dos quais 71,2% estão ligados à agricultura familiar. Juntas, elas empregam 209,8 mil pessoas e faturam cerca de R$ 200 bilhões ao ano, de acordo com a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB).




Pandemia

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus também chegou nas cooperativas, principalmente nas menores.


O analista técnico da OCB, João Prieto, conta que muitos produtores tiveram perdas relevantes, principalmente os que trabalham com produtos perecíveis, como frutas e hortaliças que precisam ser escoadas rapidamente.


Cooperados da agricultura familiar que participam de políticas do governo, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), também estão tendo perdas. Logo que a pandemia começou, em março, os estados e municípios interromperam as compras com a paralisação das aulas.


Para tentar amenizar os impactos, o governo promulgou, no início de abril, a lei 13.987/2020 que prevê a distribuição de alimentos para os alunos beneficiários do Pnae, em situações de emergência e calamidade pública.

Porém, nem todos os governos estão aderindo à medida. Uma reportagem do Globo Rural mostrou que, em Minas Gerais, por exemplo, apenas 5% dos municípios mantiveram suas compras. No estado, 17 mil produtores fazem parte da Pnae.


Outro desafio atual é a contenção da disseminação de Covid-19 entre os trabalhadores de cooperativas que estão ligadas à cadeia de frigoríficos. "Essas cooperativas estão tendo que mudar toda a forma de trabalhar para poder garantir a segurança dos trabalhadores", diz Prieto. Em junho, o governo criou regras para a prevenção e controle da Covid em frigoríficos e laticínios.


Saída para permanecer no campo


O cooperativismo é uma das saídas para o pequeno produtor rural conseguir permanecer no campo, avalia o ex-ministro da Agricultura (2003-2006) e professor da FGV, Roberto Rodrigues.


Ele, que vem de uma família de cooperados, já viu muito produtor ser expulso da zona rural com a crescente concentração do setor nas mãos de multinacionais.


Segundo IBGE, 63,8% dos cooperados recebem assistência técnica no campo, enquanto somente 20,2% do montante total de produtores do país tem acesso a esse serviço.


“Sem comprar tecnologia, ele não aumenta a produtividade. E sem aumentar produtividade, ele fica sem renda. É um círculo vicioso trágico que precisa ser rompido, ou com política pública, ou com cooperativismo”, enfatiza o professor.


Na comunidade de Cará, em Goiás, por exemplo, o cooperativismo foi a saída para produtores locais aumentarem a produção de mandioca e polvilho e, assim, venderem mais, o que melhorou a renda de 51 famílias.

3 visualizações0 comentário